quarta-feira, 28 de julho de 2010

Amazing Grace... Imperdível!

Apresentação do hino cristão inglês Amazing Grace, cantado pelo Quarteto II Divo, formado por 1 suiço, 1 norte-americano (ambos tenores), 1 francês (cantor popular), e 1 espanhol (barítono).

O Coliseu, palco do evento, fica no centro de Roma. Visto como símbolo do Império Romano, foi eleito uma das "Sete Maravilhas do mundo moderno". Atente para a participação ímpar da Gaita de Foles.

Sem dúvida, foi um acontecimento musical maravilhoso. A música é de arrepiar!

Veja em: link

Beijos,
Adriana
@drixguimaraes

quarta-feira, 21 de julho de 2010

O Diafragma, esse ilustre (des)conhecido!




Ilustrações sobre a localização do nosso tão famoso (mas escondido) amigo MÚSCULO DIAFRAGMA.









Fundamental para o Canto, pois é ele quem "impulsiona" nossa voz, controlando a inspiração e a expiração, dando a base, o alicerce (o chamado APOIO RESPIRATÓRIO) para que a pressão do ar seja correta, tornando nossa voz mais clara e potente.


Aprender a controlá-lo, e exercer a pressão correta, é um dos segredos.
Afinal, é preciso soltar o ar na medida exata, nem em pouca quantidade, nem em excesso...

No próximo post, mais detalhes...


Eduardo.




segunda-feira, 12 de julho de 2010

Algumas considerações sobre o ato de cantar.

Quando falamos sobre os órgãos do corpo humano ligados ao canto (musculares, respiratórios, ressonadores etc.), fica tudo um pouco "teórico", abstrato demais, e de difícil visualização.

Para tentarmos entender, por exemplo, como são as "pregas vocais" (em geral chamadas de "cordas vocais"), por exemplo, pensemos no "freio" da língua (essa pele que segura a língua, debaixo dela). A sua formação/constituição é semelhante.

Por isso não podemos forçá-la (devemos "cantar sentindo como se não estivéssemos cantando", como diz o professor Moisés de La Peña)! É um órgão frágil, e por isso devemos nos concentrar totalmente em manter a garganta relaxada (esqueça-a ao cantar!) e nos focarmos na RESPIRAÇÃO.

Nesta, por sua vez, é fundamental que haja um EQUILÍBRIO DE FORÇAS entre os músculos inspiradores e os expiradores. A resultante de forças entre o ar expirado e o inspirado deve ser ZERO. Ou seja (calma, não se assuste, não se lembre das medonhas aulas de Física no colégio!!!), para necessidade de maior ar expelido (maior pressão), devemos utilizar maior APOIO (pressão nos músculos respiratórios).

Notas agudas exigem maior pressão de ar, portanto, é necessário que pressionemos mais então os músculos (diafragma, piramidal...) para obter esse resultado, e por aí vai.

Imaginemos uma lavadora "Vap (Vaporetto)": ela baseia-se na FORÇA, NA PRESSÁO da água, e não na quantidade.
É nesse resultado que devemos pensar: não devemos usar muito ar ao expirar durante o canto, mas sim pouco ar com muita PRESSÃO.

O bom cantor não é o que utiliza muito ar ao cantar, mas sim quem SABE USAR o ar.

E só chegaremos a esse resultado com muito treino! Afinal, estamos trabalhando com músculos, como o diafragma, o piramidal e outros (como nossos bíceps, tríceps são trabalhados em exercícios na academia), e é preciso dedicação e disciplina para conseguirmos que nos dêem a reposta desejada.


Exercícios respiratórios e vocalizes diários são a melhor opção, claro, sempre orientados por um professor de canto. Colocaremos em outro 'post' alguns exercícios.


Portanto, mãos à obra! Ou melhor, diafragma à obra!


Eduardo.

sábado, 10 de julho de 2010

Rock in Voice

Eu acho que apresentações à capella são sempre de arrepiar...
Vejam esse vídeo do grupo Rock in Voice, da música Bohemian Rhapsody do Queen!



Obs.: A 2ª cantora da esquerda pra direita (a que canta "Galileo!Galileo!") é a minha professora de canto, Vanessa Nunes!

Beijos,
Adriana
@drixguimaraes

sexta-feira, 25 de junho de 2010

O CANTO CORAL

Abaixo um ótimo texto que li certa vez sobre o Canto Coral, uma das mais prazeirosas atividades musicais!

Eu tenho o privilégio de ter participado e participar atualmente de grupos de muita qualidade (Coral da Varig, Coral do Conservatório Musical do Butantã e Coral da Associação da Cidade de SP), onde a cada ensaio aprendo mais e mais, e onde pude conhecer pessoas especiais.

Cantar em um coral é viver música e viver amizades!

Edu.

“O canto em grupo é provavelmente um dos maiores exercícios de convívio social. Quando se canta em grupo, aprende-se harmonia, equilíbrio, domínio de si mesmo, trabalho em equipe e, acima de tudo, respeito pelo outro. Além de todos esses fatores, cantar é extremamente lúdico e prazeiroso.


Cantar envolve fatores orgânicos, psicólogicos e técnicos. Um coral é composto por indivíduos dotados de vozes com características diversas e, embora muitas delas se encontrem na mesma categoria, existem diferenças determinadas por nuances acústicas, o que pode torná-las completamente desiguais. Cabe ao regente conciliar e harmonizar estas vozes dentro do grupo coral, buscando uma identidade sonora sem discrepâncias, com qualidade artística equilibrada.

Imagina-se que a prática do canto em grupo seja tão antiga quanto o desenvolvimento da linguagem articulada. O homem primitivo já usava o canto para se alegrar, exprimir seu pesar , avisar os outros de um perigo e para acalmar os poderes superiores.

Cantar faz bem para o corpo e para a alma e, com razão, o provérbio diz “Quem canta seus males espanta!”. Observa-se comumente que os bebês modulam suas vozes quando estão felizes, entoando as suas primeiras ‘composições’ para alegria e satisfação dos pais. Indivíduos de todas as culturas cantam com diferentes finalidades, e até mesmo quando se está sozinho ou nos casos de loucura, observa-se o canto como uma manifestação humana.

Cantar em coro exige alguns pré-requisitos. O resultado vocal deve apresentar uma boa sonoridade para agradar e transmitir a essência da música e, neste sentido, a educação e a preparação vocal ajudam a conduzir o coro a sua própria identidade. O artista cantor, por sua vez, necessita amparar a voz e defendê-la de tudo que possa danificá-la. Comportamentos nocivos podem levar a um desgaste vocal e, com isso, a voz pode ficar comprometida de modo definitivo.

Temos tido o prazer de, ao longo de nossa carreira clínica e científica, conhecer e trabalhar com corais dos mais variados estilos e naturezas. A riqueza deste trabalho faz-se já no contato com os inegrantes desses grupos, pessoas que dedicam tempo de seu dia-a-dia para desenvolver a voz cantada e levar alegria e emoção a quem os escuta, na maior parte das vezes , sem nenhuma remuneração.

Infelizmente a realidade brasileira não estimula tais práticas, apesar de sermos um país tão musical. Por outro lado, os fonoaudiólogos, que estudam a comunicação humana e seus distúrbios, também não têm dedicado tempo suficiente a esta área, o que se reflete na falta de literatura, principalmente aquela direcionada ao cantor.

(...) Conhecer a própria voz é descobrir uma das funções mais fantásticas do corpo humano.”

(Mara Behlau/Maria Inês Rehder)

quarta-feira, 23 de junho de 2010

Cantor Perfeito

Faz um tempo li um artigo do colunista da Folha de São Paulo, Ruy Castro, e achei pertinente ao blog voltar a este artigo, expressar minha opinião e falarmos sobre a questão da perfeição.

Primeiro, leia abaixo:

Folha de São Paulo
Sábado, 5 de Junho 2010
RUY CASTRO

Proibido não ser perfeito

RIO DE JANEIRO - No sábado último, em belo artigo, o Caderno 2 do "Estado" anunciou "A morte da voz humana". Nenhum exagero no título. O Auto-Tune -o software que "corrige" a afinação dos cantores- está criando padrões de perfeição inatingíveis para humanos, oferecendo a recompensa sem esforço e tornando dispensáveis a vocação, o talento e o mérito na música popular. "É como se Ronaldinho Gaúcho usasse uma chuteira que acertasse o gol por si. Treinar pra quê?", pergunta o autor.

O grito foi dado por quem tem toda autoridade para fazê-lo: João Marcello Bôscoli, 40 anos, músico, produtor e diretor de gravadora. Como se não bastasse, filho de Elis Regina e do compositor Ronaldo Bôscoli, um dos criadores da bossa nova, e que teve como padrasto o pianista César Camargo Mariano, com quem Elis se casou ao se separar de Bôscoli. Nunca houve gente mais exigente em música.

Para João Marcello, pior até do que dar afinação a quem não tem, o Auto-Tune está fazendo com a voz o que o Photoshop fez com a pele humana. Assim como o Photoshop "gerou um padrão estético onde poros, rugas de expressão, pelos e outras características se tornaram defeitos", o Auto-Tune passa o rodo e "corrige" tudo o que considera imperfeito no cantor: afinação, respiração, pausas, volume, alcance -sem se importar se pertencem à sua expressão e emoção.

Ele vai mais longe: "Hoje em dia tomamos remédio quando sentimos tristeza, comemos lixo pré-mastigado quando temos fome, dopamos as crianças quando estão agitadas, passamos horas no computador quando nossa vida parece desinteressante" etc. -e "usamos softwares de afinação quando temos um cantor desafinado".

O filho da cantora mais afinada do Brasil defende os desafinados no que eles têm de mais precioso: sua falível condição humana, essencial à obra de arte.

-----

Ontem eu estava conversando com a minha professora de canto, a Vanessa Nunes, que já citei aqui outra vez, sobre a apresentação do conservatório nesse domingo. Eu queria saber quais músicas meus colegas iriam cantar, e eis minha surpresa quando ela me contou que pouquíssimos alunos dela irão se apresentar no domingo.

Claro que cada um é cada um, devemos respeitar a personalidade tímida das pessoas, a insegurança dos que estão começando. Mas com certeza absoluta o fator que reforça a idéia de que só se pode cantar em público quando estiver seguro de que vai cantar certo é reflexo dessa perfeição computadorizada que a mídia nos enfia goela abaixo como “normal”.

E quem gosta de cantar, está aprendendo, começando ou se aperfeiçoando sofre preconceito dos dois lados. Dele mesmo, que acha que tem que alcançar um nível sobre-humano de afinação, e sofre também de quem ouve, que espera de você essa perfeição sobre-humana.

Uma dica que aprendi e acredito que seja útil compartilhar (e mais uma vez um lembrete a mim mesma) é: permita-se errar! O importante é você se emocionar, transmitir a emoção pra quem estiver te prestigiando, curtir a música e o momento.

E a dica para você ouvinte: seja compreensivo! Cantar não é tão fácil quanto parece ser.

Escrevi no twitter outro dia um desabafo justamente a respeito disso: Música ao vivo de verdade é música de ser humano, não de software. O ser humano é falível. A imperfeição só torna o cantor mais humano.

Beijos,
Adriana

terça-feira, 22 de junho de 2010

Sons distintos e simultâneos

É um nome um tanto diferente mas, acho que resume algo que eu considero espetacular no estudo musical. Eu sou completamente vidrado em sons diferentes (notas) que são tocados ao mesmo tempo. É tão gostoso estudar isso que vou escrever esse post com um linguajar simples de modo a fazer com que pessoas que não estudam música, entenderem muitos conceitos sobre esse assunto.

O que primeiramente podemos entender é a diferença entre Melodia e harmonia. Isso com certeza você que não estuda música já ouviu falar várias vezes por ai. Mas esqueça esses nomes complicados pare para pensar comigo. Você já ouviu um piano, e sabe que se você apertar aquelas teclas uma de cada vez você ouvira um único som. Uma única nota. Um cantor quando canta ele emite uma nota de cada vez. Pronto! Você já sabe o que MELODIA. Melodia é uma sequência de notas tocadas por um instrumento solista, geralmente a voz. Ok agora é fácil, a harmonia é o acompanhamento da melodia que é tocada geralmente com acordes.

Calma, mais um nome que você deve ter ouvido falar várias vezes por ai porém é fácil entender o que é um acorde. Voltamos ao piano, no primeiro exemplo eu pedi que você se imaginasse tocando uma tecla de cada vez do piano. Agora eu quero que você imagine-se tocando umas 3 teclas desse piano juntas (simultaneamente), o som que você ouvirá é um acorde. É claro que existem regras para saber quais teclas tocar juntas mas o conceito de um acorde é esse. Pra tentar explicar de forma bem sucinta como funciona uma dessas regras, vou pedir pra você lembrar das notas musicas.

Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si.

Acabei de dar nome a uma sequência de teclinhas (as brancas) do seu piano imaginário e com certeza você já escutou essa musiquinha.

Dó ré mi fá, fá fá
Dó ré do ré, ré ré
Dó sol fá mi, mi mi
Dó ré mi fá, fa fa

Pronto quando, e se, você tiver oportunidade de tocar um piano, sinta-se a vontade e execute a sua primeira melodia. Mas antes localize corretamente pela imagem o Dó do seu piano.




E voltemos ao foco, quero explicar a você uma das regras para a formação de um acorde. Vamos dar nome a ele, é a regra do acorde maior que é formada por uma tríade. Mais um nome louco, mas tríade lembra 3 (três) não? É exatamente isso! Então vamos refazer a frase, o acorde maior é formado por TRÊS notas tocadas simultaneamente. Essa tríade é formada pelo 1º, 3º e 5º grau. Veja a tabela:


I II III VI V VI VII VII
Dó Ré Mi Fá Sol Lá Si Dó


Teremos então Dó, Mi e Sol. Portanto se você tocar essas três notas simultaneamente você estará tocando o acorde maior de Dó. Você verá que é um som alegre gostoso de se ouvir, soará muito melhor do que se você tivesse escolhido qualquer outras notas sem regra nenhuma.

Portanto agora posso voltar ao início do post quando falei de sons distintos, ou seja, notas diferentes tocadas simultaneamente. É muito bonito de se ouvir elas causam sentimentos a quem ouve. Se você quiser se avançar um pouco entenda os acordes menores e veja que eles causam seriedade, tensão, frieza quando tocados. E é isso que me fascina, esses sentimentos causados por sons simultâneos. Podemos ver mais exemplos disso, quando um instrumento acompanha outro, os dois não necessariamente estão fazendo as mesmas notas. Agora o exemplo que mais me fascina é ouvir isso em um coral de vozes. Podemos ver que um coral quando executa uma peça podem ocorre a situações onde o naipe do Baixo está fazendo , os tenores estão fazendo a nota e os sopranos a nota Sol, tendo aí um acorde de Dó maior o que é maravilhoso de se ouvir. Faça um teste, você com dois colegas e a ajuda de um instrumento, peça que cada um memorize uma dassas notas e cantem simultaneamente, vocês vão se surpreender com o resultado. Essa é a base do conhecimento para que dois cantores faça um dueto, a primeira e a segunda voz podem seguir a regra que acabamos de ver. Regra que se estende a um diversidade incrível que, no meu ponto de vista, é muito prazeroso estudar e tomar conhecimento.

Aproveitando o gancho de estudo musical, gostaria de contar um fato recente. Fui a uma viagem com alguns amigos e na chácara onde ficamos existia um piano, todos se sentaram ali e fizeram alguns sons e quando eu me sentei, coloquei em prática alguns desses conhecimentos, a maioria deles eu coloquei aqui nesse post, e quando eu executei sons ali,a s pessoas achavam que eu já sabia tocar piano, e eu nunca toquei um piano. Por isso acho muito gostoso estudar e apreciar a música, e acho que ela parece complexa, mas quando você gosta, tudo fica mais fácil.

Bom acho que por hoje é só ...

Abraços
Léo

segunda-feira, 21 de junho de 2010

Aquecimento Vocal

Eu adoro vocalises. Existem centenas de tipos e cada um nos faz aprimorar uma técnica diferente. No final dos exercícios nossa voz fica quentinha, o diafragma esperto, e nossa voz fica brilhando quando cantamos.

Mas se você não estuda canto e acaba ouvindo um aluno de canto estudando, pode jurar por tudo que é sagrado, que existe algum maluco à solta. Ou que abriram a porta do galinheiro ao ouvir tantos “pó-pó”, ou que tem algum gato doido a solta ao ouvir diversos “mi-mi”. Eu lembro quando comecei a fazer aulas de canto, o quanto que era engraçado os exercícios vocais. Eu caia na risada antes, durante e depois, mas hoje eu trabalho os vocalises com mais seriedade, apesar da minha professora inventar alguns que são hilários.

É importantíssimo aquecer a voz antes de cantar. E “desaquecer” depois também é uma proteção pra suas pregas vocais. Sair cantando do nada pode fazer você ficar rouco, sem voz, cansado no final da atividade. E a vida útil da sua voz pode diminuir se você não cuidar dela direito.

Veja a Hayley Williams – vocalista da banda Paramore – fazendo alguns vocalises e o professor a instruindo:



O “coach” dela é o professor de canto das celebridades nos Estados Unidos, Brett Manning (site http://www.singingsuccess.com/). Estrelas pop do mundo jovem como Miley Cyrus, Taylor Swift e outras já foram (ou ainda são) suas pupilas. Nesse vídeo abaixo ele fala da importância do aquecimento vocal, e dá algumas dicas pra você aquecer a voz em casa, e como não forçar sua voz. Desculpe, não achei versão do vídeo com legenda em português! Mas resumindo a idéia do vídeo, é sermos gentis com nossa voz, permitindo que sua voz se aqueça, e não a force nunca.


Agora, quer ver um vocalise realmente impressionante? Se liga nessa soprano usando técnica de lírico!




Beijos,
Adriana
@drixguimaraes

sexta-feira, 18 de junho de 2010

INSPIRAÇÃO...

Uma grande dúvida que às vezes nos atinge é como ou onde se inspirar ao cantar uma canção.
Claro, aquelas que adoramos, que fazem parte da nossa história, essas são mais fáceis!
Desafio maior é inspirar-se ao cantar músicas "novas"...

Eu parto de um princípio simples: pegar uma palavra, uma frase, uma nota da melodia ou da harmonia, algo, enfim, que me lembre algo ou alguém, mais provavelmente.

Apenas uma palavra pode-nos tocar tão profundamente que nos "entreguemos" àquela canção, como deve ser ao cantar ou mesmo tocar um instrumento: entrega total.

Lembrar de alguém que gostamos. Lembrar de um lugar que conhecemos. Uma paisagem...
Pensar em alguém que se foi.
Pensar em alguém que vai chegar.

Pensar em alguém que esteja junto de nós naquele exato momento em que cantamos/tocamos.
Pensar em alguém que GOSTARÍAMOS que estivesse junto ali, naquele momento.
Pensar em alguém "impossível" para você, ainda que não seja essa a sua vontade.

Lembrar de situações que passamos, superamos. Ou de desafios vindouros...
Pensar em Deus, na beleza da vida.
Pensar nas dificuldade da vida.

Se for possivel, feche os olhos...nem que seja rapidamente...

Ou simplesmente se deixar levar pelo som, com o intuito apenas de ver o público divertir-se, sorrir, chorar, enfim se emocionar.


Bem, é infinita a lista de como se inspirar...e muito particular de cada um de nós.

Esta é apenas a minha "visão"...e como tento fazer ao cantar.



Carpe Diem!

Edu.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

DA EMOÇÃO DE ESTAR NO PALCO.

Para quem canta, por si só o ato de cantar já é extremamente satisfatório e prazeroso.

Para quem é “movido a música”, para aqueles em que é PRECISO ouvir, tocar, cantar, VIVER música o tempo todo, aqueles minutos/horas de música é estar onde se mais gosta, é como o rio ou o mar para os peixes, o vento para os moinhos, a água para as plantas.

Estar em um palco (ou qualquer lugar público para apresentar-se), então, é algo quase indescritível.

Sentir a emoção, aquele “frisson”dos momentos que antecedem as apresentações, aquele friozinho na barriga, aquela ansiedade gostosa, fazem parte desse momento tão especial.
É o ápice, o clímax, após dias, meses de preparo.
Ou mesmo num improviso, numa “canja”inesperada.

É estar em seu “habitat natural”, ainda que preocupados que ficamos com a técnica, com a postura, com a respiração, com o posicionamento no palco, com a iluminação e o som.
Ali quem comanda é a emoção, é o coração.
É o cantor soltando a voz, tornando-se PLENO.
Ou o guitarrista, o baterista, o instrumentista em seu solo, solitário e entregue à arte de encantar.

Estar no palco é ter o máximo de respeito com o público, mas ao mesmo tempo dar-se o direito de estar “em outro mundo”, o nosso próprio mundo, cada um dentro da sua “redoma” e entregue totalmente àquele momento.

É ser totalmente “você”, doando-se a quem assiste.
É esquecer problemas, temores, as dores.
É entregar-se a canções, personagens, amores.

Mesmo para quem já teve incontáveis experiências em palcos, jamais uma vez será igual à outra: seja na ansiedade e surpresas da estréia, seja na beleza da apresentação única, seja na riqueza do momento do “gran finale”(o último dia), seja na insegurança de quem pisa aquele lugar tão mágico pela primeira vez, insegurança que se transforma em momentos certamente inesquecíveis!

Para quem ainda não teve esse prazer de pisar em um palco, recomendo: faça-o! Você merece!

O palco é, enfim, a vida do artista, amador ou profissional.
É o paraíso daqueles que amam e fazem a música, o teatro, a dança.
Ali, encontramo-nos INTEIROS e ENTREGUES . É libertar nosso espírito.

Privilegiados seres que somos, capazes de emocionar alguém…




Eduardo.

Água nelas!


Este post é praticamente um lembrete a mim mesma, mas acredito ser útil a todos os leitores cantores. Agora que o tempo tá friozinho, a gente acaba esquecendo de beber água, não é? Todos os médicos estão recomendando que a gente fique atento a isso no inverno, já que no verão o calor não nos deixa esquecer de beber mais líquidos. Mas pra nós que cantamos, não podemos nunca esquecer que a água é a melhor amiga das pregas vocais.

Sempre ouvimos falar da importância de se beber água para a saúde em geral. Mas saiba que se nosso corpo está bem hidratado, nossas pregas vocais também estarão, com melhor flexibilidade e vibração.

Óbvio que a água (ou qualquer líquido) que ingerimos não passa pelas pregas vocais. Se isso acontecesse iríamos aspirar líquidos para o pulmão e poderíamos até morrer! Como hidratamos as pregas vocais, então? Li que a laringe produz normalmente uma secreção. De acordo com cada organismo essa secreção pode ser mais viscosa, mais fluida ou mais grossa. Ela age como uma proteção para esta região, principalmente na mucosa das cordas vocais, diminuindo o atrito entre elas e aumentando sua flexibilidade e vibração. A água ajuda na melhor hidratação das células que, por consequência, produzem uma secreção mais fluída facilitando o processo de vibração das pregas vocais. Se a mucosa das pregas vocais estiver muito ressecada, poderá haver um grande atrito entre elas o que poderá acarretar, inclusive, o aparecimento de alguma lesão.

Em geral, se recomenda a ingestão de aproximadamente 2 a 3 litros de água por dia. Mas é importante fazer uma observação de sua saúde como um todo. A ingestão de um medicamento que contenha diurético por exemplo (que pode ser encontrado num remédio para emagrecer) pode fazer com que você perca muita água e precise elevar o seu nível de hidratação. Já a ingestão exagerada de água pode levar a uma perda de sódio no organismo causando danos à saúde em geral.

Uma boa forma de observar o nível de hidratação do corpo é pela observação da coloração da urina. Quanto mais hidratado estiver o indivíduo, mais clara será a coloração da urina.

Pode se fazer também hidratação direta das pregas vocais por inalação de vapor (utilizando vaporizador, ou inalador por exemplo). Cláudia Leite e Ivete Sangallo adotam esse método em todo carnaval.

Li uma vez que sucos, refrigerantes e etc não hidratam de forma adequada, então não contabilizem esses líquidos no seu compromisso de 2 litros de água por dia. E durante um ensaio, na aula de canto, ou numa apresentação, tenha sempre uma garrafinha de água por perto. A água vai compensar as perdas líquidas durante a atividade, hidratando e purificando o muco. Eu sempre sinto minha garganta secar quando canto.

Ah, e não fique pigarreando para tirar a secreção da garganta! Se você tiver esse hábito, pode parar já com isso. Além de nojento, as tentativas de soltar secreção causam uma irritação da mucosa e descamação do tecido. O mais adequado é beber água para que a secreção saia espontaneamente. A cantora Tutti Baê recomenda em seu livro “Canto, uma expressão” inspirar profundamente pelo nariz e deglutir logo em seguida. O que os jogadores de futebol fazem é só eliminar o excesso de saliva que a atividade física superproduz, por isso cospem o tempo todo. Eca! Mas não tem nada a ver com pigarro.

Ainda no assunto líquidos, os sucos de laranja e limão auxiliam a absorção do excesso de secreção, e a maçã possui propriedade adstringente, por isso é bom comer depois de uma refeição, pra limpar a boca e a faringe. Também recomendações da Tutti Baê em seu livro.

Agora que leu esse post, tome já um gole de água! Eu já tomei o meu! ;-)

Pra te dar mais sede, veja este vídeo!



Beijos
Adriana
@drixguimaraes

quarta-feira, 16 de junho de 2010

Vale um Click!


Atendendo a pedidos, volto ao blog com mais dicas de sites que valem a pena conhecer.

http://palcomp3.com/
Este é um site de músicas independentes. Você pode cadastrar sua banda, postar suas músicas, ver agenda de shows da galera e etc. Tem subdivisões por categorias musicais e artistas de todo país.

http://tramavirtual.uol.com.br/
Mais músicas independentes. Você pode ouvir as músicas, ter informações sobre as bandas, e tem até download remunerado. É grátis pra quem baixar a música, mas você artista que disponibilizou a música no site recebe um dim-dim. A Trama Virtual se intitula “Comunidade da Música Brasileira”, pois além de tudo isso o usuário pode ter sua própria página de perfil, com galeria de fotos e blog, além de ter a possibilidade de declarar-se fã de seus artistas preferidos e listar os favoritos em sua home.

http://www.formesuabanda.com.br/
Não tem banda? Ou tem, mas falta um guitarrista? Esse é um site onde você visualiza anúncios da galera que toca, canta e está se disponibilizando pra entrar numa banda, ou você mesmo pode se anunciar lá. Tem gente de todo Brasil!

http://www.planetarei.com.br/100anos/index.htm
Uma maravilha para quem gosta de música. De qualquer estilo de música popular. Uma lista anual com as músicas mais tocadas no Brasil de músicas de 1904 a 2003, com link para o Youtube para você ouvir ou ver e ouvir a interpretação, se ela estiver lá. Tem 100 músicas para cada lista desses 100 anos!

http://www.youtube.com/disco
Confira agora a nova sensação do YouTube, chamada YouTubeDisco. Ele é super útil para aqueles dias que você esquece o ipod em casa. Divirta-se com o acervo do site, digitando o nome do artista ou da música que você tanto adora, e montando uma playlist sem interrupções! É muito fácil e muito legal!

Beijos,
Adriana
@drixguimaraes

segunda-feira, 14 de junho de 2010

Formas criativas de fazer música

O negócio hoje é usar toda a criatividade, abusar da tecnologia, dar asas a imaginação e fazer música de forma bem inusitada! Vejam alguns vídeos bem legais que encontrei no Youtube:

1) Para as pessoas que gostam de música e de tecnologia! Não pode deixar de prestigiar este vídeo de um coral promovido pelo compositor Eric Whitacre. A curiosidade é que todos os integrantes do coral gravaram sua parte pela webcam, e depois juntaram tudo!



2) Veja só que legal esta garota coreana reproduzindo a música da Beyonce, Irreplaceble apenas com aplicativos de música instalados em 3 iPhones. Ela reproduz praticamente uma banda inteira sozinha! Primeiro ensina como fazer e depois toca e solta a voz!



3) Nesse vídeo aqui você vai ver um percussionista muito criativo (e cá entre nós deve ter sido uma ação de marketing muito bem bolada). Nessa “banda”, ao invés de usarem instrumentos pra produzir som, usam caixinhas de TIC TAC!



4) Agora mais um vídeo típico de "faça seu próprio instrumento”. Olha o que esse cara fez usando 2 Android, 2 Windows Mobile, 1 IPod Touch, aplicativos musicais e muita fita adesiva!




Pra começar essa segundona bem, tá aí uma injeção de criatividade! =)

Beijos,
Adriana
@drixguimaraes

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Guardem esse nome: Greyson Chance

Gostaria de compartilhar com vocês um super achado que recebi por e-mail.

Vocês já ouviram falar em Greyson Chance? Os vídeos dele estão bombando no Youtube, e são de altíssima qualidade musical. Ele é cantor, compositor e pianista extremamente talentoso. Mas o grande lance nisso tudo é que o garoto tem apenas 12 anos de idade, e apenas 3 anos de aulas de piano (e nunca teve aulas de canto).

Ele estourou no Youtube depois que postou na rede um vídeo de uma apresentação dele no festival da sua escola. Ele fez uma versão da música “Papparazzi” da Lady Gaga, e em poucos dias o vídeo tinha milhões de visualizações.

Vejam que performance!



Greyson Michael Chance nasceu dia 16 de agosto de 1997, em Wichita Falls, Texas, nos Estados Unidos. Ele tem duas composições próprias: “Stars” e “Broken Hearts” (que eu, particularmente, achei essa segunda música linda!).





A sua maior inspiração é, claro, Lady Gaga. Vejam a entrevista dele no programa The Ellen DeGeneres Show, onde conta sobre sua história e ainda teve a oportunidade de falar com a Lady Gaga pelo telefone.

Segue o link do vídeo:
(não consegui colocar aqui, a incorporação foi desativada pelo dono do vídeo, mas vocês podem ver no YouTube)

Essa garoto vai longe, não acham?

Beijos,
Adriana

quinta-feira, 10 de junho de 2010

A Minha Primeira Vez


Hoje eu acordei com uma música na cabeça. Mas não era nenhuma música que estou estudando, ensaiando, ou que toca nas rádios ou na novela... era a primeira música que cantei quando comecei a estudar canto, há apenas 2 anos.

Antes de falar sobre ela, quero contar uma breve história pessoal, pois acredito que muitos possam se identificar: de onde é que tirei a idéia de estudar música, e mais especificamente, começar a cantar.

Quando eu era criança, cantar, dançar e interpretar eram minhas brincadeiras favoritas. Depois vinha boneca, panelinha, pintar, joguinhos e etc. Nos vídeos de família que meu pai fazia quando eu tinha 4 anos de idade é fácil encontrar uma mini-Adriana com um microfone de brinquedo na mão, cantando e dançando ao som de Menudos, Angélica, e Toquinho.

No entanto, cresci com a idéia de que pra cantar, a pessoa tinha que ter o tal dom natural. Que a pessoa que tem o talento pra cantar teria uma voz de travesseiro, um timbre diferente, e que a afinação era algo intrínseco no âmago dessa pessoa tão sortuda. Logo, como eu não achava que era meu caso, pois quando eu cantava até cachorro fugia, achei então de bom senso investir em outros talentos artísticos. Fiz dança, fiz teatro, fui crescendo e essas coisas foram me dando alguns frutos profissionais: fui mestre de cerimônia num show de dança, apresentei uma matéria na MTV e até fiz ponta em novela. Mas, profissionalmente me descobri produtora, e quando a gente tem o sangue de produtor, é difícil fugir disso. Fiz Rádio e TV na faculdade e essa arte que vive dentro de mim virou hobbie.

Num estágio que fiz, eu operava câmera e editava os shows que tinham no Teatro Popular do SESI (da Av. Paulista) e todo ano tinha o festival de Jazz e Blues. Me apaixonei pela gaita blues, aquele som me arrepiava. Resolvi então que queria aprender a tocar, e daí conheci o CMB (Conservatório Musical Butantã).

Um belo dia, nos corredores da escola, eis que aparece a fada-madrinha Sônia Campus, que é a regente do coral da escola e professora de canto, e me convida pra participar do coral. Eu falo pra ela que não tenho nenhum dom pra isso, que cantar era um sonho, mas que eu não levava jeito, e ela me interrompeu. Disse algo assim: “Qualquer pessoa pode aprender a cantar. Cantar é como aprender um instrumento, precisa aprender e desenvolver a técnica, praticar, estudar... mas qualquer pessoa pode cantar.” Essa revelação foi um divisor de águas pra mim. Pode parecer bobagem, mas eu juro que não tinha passado pela minha cabeça de que cantar era algo possível de aprender.

Depois de dois anos que ela plantou essa semente (e visto que gaita é muito mais difícil de tocar do que parece), resolvi tomar coragem e resolvi fazer aula de canto. Sim, pois precisa de coragem. No meu ponto de vista se existe um “que” diferente na pessoa que canta em relação aos demais, não é afinação, timbre de voz, e técnica. É a coragem. Pois quando a gente canta, exploramos os nossos mais profundos sentimentos com o objetivo de mexer com os sentimentos do outro. É preciso muita coragem pra isso!

Bom, agora cheguei no ponto onde comecei esse post. Comecei a ter aulas de canto, mais especificamente em agosto/setembro de 2008. No mesmo bom e velho CMB (velho no bom sentido, a escola tem 25 anos de know-how), e conheci a Vanessa Nunes (cantora espetacular, divertidíssima, excelente professora e amiga). E a primeira música que estudei, por sugestão dela, foi “Canto de um Povo de um Lugar” de Caetano Veloso.



Segue abaixo letra e cifra de duas versões que encontrei (não sei se estão certinhas, pois eu não toco):


(Versão 1)


G D9/F# Em
Todo dia o sol se levanta
Em/D C D/C G C/G G
e a gente canta ao sol de todo dia
G D9/F# Em
Finda a tarde a terra cora
Em/D C D/C G C/G G
e a gente chora porque finda a tarde
G D9/F# Em
quando a noite a lua mansa
Em/D C D/C G C/G G
e a gente dança venerando a noite.


(Versão 2)


C G/B Am
Todo dia o sol levanta
Em F
E a gente canta
G C
O sol de todo dia
G/B Am
Fim da tarde a terra cora
Em F
E a gente chora
G C
Porque finda a tarde
G/B Am
Quando a noite a lua amansa
Em F
E a gente dança
G C
Venerando a noite



Fonte: http://www.cifraclub.com.br/caetano-veloso/canto-de-um-povo-de-um-lugar/

Essa música é ótima pra quem tá começando, porque ela tem uma melodia fácil. Nela você consegue treinar afinação, percepção do seu próprio instrumento vocal, memória auditiva, respiração, e altura (altura não é volume, é o que o músico entende por grave e agudo).

Depois de 3 meses que eu tinha começado a ter aulas, participei de um sarau no conservatório, que naquela ocasião consistia em uma rodinha de alunos de canto, cantando cada um uma música aos demais colegas. Cheguei lá tremendo da cabeça aos pés, mas ao mesmo tempo querendo muito cantar pela primeira vez. A professora me chamou, falou para os colegas que eu tinha só 3 meses de aula, e que eu ia cantar “Canto de um Povo de um Lugar”, e tive uma bela surpresa: todos reagiram super bem, porque eles também começaram cantando a mesma música. Então pedi que cantassem comigo, já que eu estava muito nervosa.

Cantamos. A energia foi indescritível. A troca dessa energia, emoção... se eu estava cantando bem ou não, isso é o de menos. Descobri que nunca mais quero parar de fazer isso. Haja o que houver, não quero nunca parar de cantar.

Essa música tem uma característica de canção de ninar, e com certeza vou cantar pro meu bebê, quando eu tiver um filho. E um dia vou contar a ele que foi com essa música a minha primeira vez com o canto.

Beijos,
Adriana

quarta-feira, 9 de junho de 2010

As músicas da Copa do Mundo África 2010

A COPA começa oficialmente nessa sexta-feira, mas a abertura dos jogos será amanhã, quinta, 10/06, às 15h (horário de Brasília). Eu, particularmente, AMO aberturas de jogos, sejam elas de Olimpíadas de Verão, Olimpíadas de Inverno, COPA, ou Jogos Pan-americanos. Pois é na cerimônia de abertura que o país sede tem a oportunidade de apresentar sua nação ao mundo de forma artística.

Tudo bem que nessas cerimônias a gente só vê a versão “maquiada” daquele país, porque obviamente só é apresentado o ponto de vista que interessa para atrair turistas, investidores, e tentam mudar alguma má impressão que as pessoas possam ter do país sede.

Mas deixando a politicagem de lado, costuma ser um show onde o evento apresenta a história, a cultura, a fauna/flora, a perspectiva de futuro e etc, do país sede, além de transmitir alguma mensagem que considera importante ao mundo (paz, consciência do aquecimento global, por exemplo), e reforçar a idéia de que o mundo todo está unido pelo esporte. Principalmente nas Olimpíadas, as cerimônias da COPA não costumam ser tão caprichadas. Tudo isso utilizando recursos tecnológicos (na última Olimpíada de Inverno, que foi em Vancouver, eles exploraram bem isso) e artísticos, dentre elas, lógico, a MÚSICA.

Considerado o maior espetáculo da história do continente africano, o evento será realizado no Estádio Orlando de Soweto e terá apresentações de grandes músicos de todo o mundo e dos principais artistas africanos e contará com a presença de craques do futebol de hoje e de antigamente, além de outras celebridades.

A FIFA e a Control Room, empresa produtora de eventos musicais internacionais, divulgaram os primeiros artistas que se apresentarão no concerto. Além de Shakira, estão listados Alicia Keys, Amadou & Mariam, Angélique Kidjo, Black Eyed Peas, BLK JKS, John Legend, Juanes, The Parlotones, Tinariwen, Vieux Farka Touré e Vusi Mahlasela. Mas não termina aí: outras estrelas ainda serão anunciadas, e estão guardando algumas surpresas a sete chaves.

Nesta edição da COPA do Mundo África 2010, a organização FIFA de futebol escolheu como música tema oficial, "Waka Waka" (Esto És África, em espanhol; This is África, em Inglês), que será apresentada na cerimônia de abertura pela cantora colombiana Shakira.




A música tema da patrocinadora Coca-Cola para o mundial deste ano é a remixada Wavin’ Flag (Bandeira Acenando, em português) do cantor somaliano naturalizado canadense K'naan. A música faz parte de seu terceiro álbum, Troubadour, mas a versão pra COPA sofreu adaptações. A música atualmente já está sendo interpretada em vários idiomas, uma delas é a versão que vocês podem conferir abaixo, onde o cantor gravou com o artista espanhol David Bisbal.



A letra, cifra e áudio/vídeo da música original de K’naan, você pode ver clicando aqui: http://www.cifraclub.com.br/knaan/waving-flag/

A música “Oh África” do cantor senegalês Akon interpretada juntamente com a cantora Keri Hilson, que com certeza você já ouviu nos comerciais da Pepsi, é outra canção temática que vamos ouvir muito nesse mês.



Agora que você conhece algumas das músicas temas da COPA, é só torcer pelo Brasil!!!!

Qual delas você gostou mais?

Beijos,
Adriana

P.S.: Não nomeei o post como “A Trilha Sonora da COPA”, pois acho que a verdadeira trilha sonora é a que será composta por milhares de vuvuzelas e torcedores cantando, gritando, e aplaudindo, em todo o mundo. =)

terça-feira, 8 de junho de 2010

Cantar em outras línguas

Existem muitas discussões na internet de qual a língua no mundo é mais fácil pra cantar, soa melhor aos ouvidos, encaixa melhor em determinado ritmo e etc.

Uns dizem que o italiano impulsiona a voz, outros que o inglês tem o som mais aberto, outros que o português tem mais ritmo, e blá-blá-blá. Não sou nenhuma especialista em lingüística, nem em fonoaudiologia, ou musicista profissional, mas tenho certeza em relação a duas coisas:

1) Cantar sem saber o significado do que está cantando deixa a interpretação vazia, sem sentimentos. Como você vai contar uma história, expressar uma emoção, ou passar uma energia sem ter a menor idéia do que está cantando?

2) Se você não sabe o básico daquela língua, os erros de pronúncia denunciam na mesma hora de que tem alguma coisa muito errada naquela música, por mais maravilhosa que seja a voz e afinação do cantor.

Mesmo que a pessoa pense “ah, mas aí eu vejo na internet a tradução daquela música, assim eu sei o significado dela e minha interpretação fica melhor”, eu ainda acho que é difícil para quem tá cantando, sentir adequadamente o que está dizendo. Pois captar a idéia geral da música é diferente de você sentir o significado e a verdade de cada palavra, o porquê dela estar alí no caso de composições poéticas mais complexas. Essa é a minha opinião.

Mas se você já passou essa etapa, você conhece a língua, está determinado a cantar, mas está inseguro quanto a pronúncia, descolei uma ferramenta na internet que pode te ajudar.

O site Text to Speech http://text-to-speech.imtranslator.net/ é um site de pronúncia muito útil. Nele você coloca a palavra que está em dúvida, ou até a letra inteira da música no box, clique em “say it” e ele lê pra você na pronuncia correta! E tem a possibilidade de várias línguas: inglês, francês, alemão, italiano, chinês, japonês, coreano, russo, espanhol e até português. É uma boa ferramenta pra colocar no “favoritos” do seu navegador.

Lendo fóruns de discussões sobre o tema, vi muita gente manifestando um certo “preconceito” ou criando resistência com relação a músicas em inglês, em função de – qualquer que seja o motivo – não gostar dos Estados Unidos. Queria só deixar claro pra essas pessoas que, primeiro, a língua inglesa não é exclusiva dos americanos, afinal é a língua falada também no Canadá, Inglaterra, Nova Zelândia, Austrália, alguns países na África, alguns lugares do Pacífico, totalizando 53 países no mundo em que ela é a língua oficial, ou segunda língua. Em segundo lugar, gostando ou não, é constatado que se você quer que sua música atinja um âmbito internacional é muito mais certo que isso aconteça se você compor a letra em inglês.

Antes que você dê um pulo da cadeira e prepare uma lista de músicas brasileiras conhecidas internacionalmente em português, lembre-se que a lista de músicas em inglês, italiano e espanhol que posso fazer pra retribuir a gentileza será quilométrica. Não estou dizendo que a música brasileira não é rica o suficiente pra tocar os corações de ouvintes de outros continentes, concordo que é muito o contrário, quando alguém ouve a nossa música logo se anima a querer aprender uns passinhos de samba, ou sente a emoção da música orquestrada como as de Heitor Villa-Lobos, além de que existem movimentos musicais como a Bossa Nova que foi criado aqui, repercutiu no mundo todo e é repetida a fórmula nos quatro cantos até hoje. O fato é que, comercialmente, atualmente, a PROBABILIDADE de uma música composta em inglês ter uma repercussão internacional, é maior. E a discussão que proponho aqui é única e exclusivamente a respeito da língua.

Mas se um cantor brasileiro se mete a cantar em inglês, a primeira coisa que o público brasileiro faz, quase que instintivamente, é torcer o nariz.

Quero saber a sua opinião sobre o tema. Poste seu comentário, vamos aprofundar o assunto, trocar figurinhas! Divulguem esse post!

Beijos
Adriana

segunda-feira, 7 de junho de 2010

Esse tal de Flash Mob

O nosso blog/grupo/redes-sociais “Nós Voz Eles” foi criado com o intuito de ser um Flash Mob de canto. Mas por este termo ser relativamente novo para classificar um tipo de manifestação de arte, muita gente não sabe exatamente do que se trata o Flash Mob, como surgiu, e tudo o que abrange o movimento. Então, fiz uma pesquisa que acho relevante aos nossos leitores.

Ah, muita informação que encontrei falando a respeito de Flash Mobs como manifestações políticas eu nem considerei em postar aqui, pois nosso intuito é único e exclusivamente artístico.

Segue abaixo!

Beijos,
Adriana


Flash Mobs são aglomerações instantâneas de pessoas em um local público para realizar determinada ação inusitada previamente combinada, estas se dispersando tão rapidamente quanto se reuniram. A expressão geralmente se aplica a reuniões organizadas através de e-mails ou meios de comunicação social.

Em outras palavras, os flash mobs são manifestações pacíficas feitas por grupos de pessoas, que combinam através de mensagens pela internet para irem a determinados lugares, efetuar alguma coisa de forma inusitada (dançar, gritar, pular amarelinha, recitar a tabela periódica, etc.), deixando todo mundo confuso, se dispersando depois de algum tempo, sem explicar nada a ninguém.

O Primeiro Flash Mob

O primeiro flash mob foi organizado via e-mail (com o endereço themobproject@yahoo.com, criado para este fim), pelo jornalista Bill Wasik, em Manhattan. Mandando o e-mail para 40 ou 50 amigos (de maneira que eles não soubessem que o evento fora planejado pelo próprio jornalista), Bill convidou as pessoas a aparecerem em frente à loja de acessórios femininos Claire’s Acessories. Segundo ele, "A ideia era de que as próprias pessoas se tornassem o show e que, apenas respondendo a este e-mail aleatório, essas pessoas criassem algo" em um mob anônimo e sem liderança.

No entanto, a loja foi avisada antes do acontecimento e a polícia foi acionada, evitando que as pessoas ficassem na frente da loja, frustrando os planos do primeiro mob.

O segundo mob aconteceu em 3 de junho de 2003, na loja de departamentos Macy's. Wasik e amigos distribuiram flyers para pessoas que passavam nas ruas, indicando quatro bares em Manhattan, onde elas receberam instruções adicionais sobre o caráter e o lugar do evento, minutos antes do seu início – para evitar o mesmo problema que ocorreu com o primeiro.

Mais de 100 pessoas juntaram-se no 9º andar de tapetes da loja de departamento, reunindo-se em volta de um tapete caro. Qualquer um aproximado por um vendedor foi avisado a falar que as pessoas reunidas no andar viviam juntas em um depósito nos arredores de Nova York, que estavam procurando por um “tapete do amor” e que todos faziam suas decisões de compra em grupo.

Mobs Populares

Pillow Fight
http://www.pillowfightday.com/
A famosa guerra de travesseiros ganhou um novo formato quando passou a integrar o quadro de flash mobs. Nela, pessoas combinam pela Internet, um determinado local e horário e levam consigo seus travesseiros para guerrear com pessoas desconhecidas. O Pillow Fight, vem sendo praticado em várias cidades do mundo. Eu mesma presenciei, sem fazer a menor idéia do que se tratava, de um Pillow Fight em Toronto, quando estive lá no Canadá em maio de 2008. Fiquei impressionada com a quantidade de pessoas, e tive muita vontade de ter um travesseiro a tiracolo pra participar.

Subway Party
Uma Subway Party (festa no metrô), nada mais é do que um grupo de pessoas que se juntam, no estilo flash mob, para promover festas dentro dos vagões dos trens metropolitanos de grande cidades como Nova Iorque. Combinado o dia e o horário, os participantes apenas aguardam que um determinado número de pessoas se reúna para que então todos entrem no vagão (geralmente o último) e troquem presentes, ouçam música, dancem, enfim, façam uma festa.

Existem dois tipos de Subway Party: a primeira ocorre na hora do rush e tem o objetivo de “descontrair as pessoas”. Porém ela é muito criticada por atrapalhar as pessoas que fazem uso do transporte público, causar atrasos e incomodar os usuários. A outra acontece no fim na noite e os participantes chegam até a decorar o vagão do trem para uma verdadeira festa, que algumas vezes pode até ser a comemoração de alguma data como o Halloween. Conforme o trem vai passando as estações o número de participantes também aumenta, já que as pessoas vão sendo convidadas a fazerem parte da festa.

Zombie Walk
http://www.zombiewalk.com.br/
Consiste em pessoas que se juntam para passar algum tempo caracterizadas como zumbis e agindo como tal, dispersando-se em seguida. Esta é outra forma de flash mob que está crescendo pelo mundo e atrai cada vez mais pessoas.

Improv Everywhere
http://improveverywhere.com/
O Improv Everywhere é um dos grupos mais famosos no meio dos flash mobs. Começou por acaso, sem o propósito de fazer flash mobs. Charlie Todd, o fundador, foi confundido com o cantor americano Ben Folds e mesmo desmentindo o desentendido, aceitou a insistência das pessoas que o confundiram e cantou para o grupo como se fosse o próprio cantor. A partir desse momento, Charlie percebeu que poderia criar eventos mobilizando pessoas, primeiramente utilizando sua rede de contatos, e assim vários flash mobs foram organizados pela Improv Everywhere. Um dos mais famosos é o Frozen Grand Central, realizado em Nova York que, no encontro de 200 pessoas, cronometradamente, fingiram estar congeladas e assim ficaram por um minuto, gerando uma enorme discussão.



Além desse flash mob organizado totalmente pela internet e sem pagar nada para os participantes, a Improv Everywhere já organizou flash mobs como o No Pants, o encontro de pessoas sem calças no Metrô (mesmo causando problemas com a polícia local) e O MP3 Experiment, no qual os participantes baixaram um mp3 e só ouviram no dia do encontro no parque. Nesse arquivo de áudio havia instruções para uma gincana, cujo objetivo era encontrar uma outra pessoa.

E claro que o Improv Everywhere também já fez um Flash Mob musical, como esse numa loja tipo “sacolão” onde vende frutas, surpreendendo a todos com um musical sobre “espremer as nossas futas”. (Vejam os depoimentos das pessoas no final da apresentação)



Popularização

A popularização do movimento deu-se principalmente pelo sucesso da internet. As pessoas gostaram de flash mob por ter um componente online, permitindo-as verem as comunidades virtuais manifestarem-se fisicamente e literalmente. A mídia ajudou a espalhar o flash mob, através da imprensa norte-americana com incessantes artigos, taxando-o como movimento.

Oprah Flash Mob Dance

No dia 10 de setembro o grupo Black Eyed Peas quebrou o recorde de maior flash mob da história, ao reunir cerca de 21 mil fãs na Avenida Michigan, em Chicago, nos EUA para comemorar a passagem da 24ª temporada do programa de Oprah Winfrey na TV. O grupo preparou uma surpresinha para ela ao tocar o grande hit I Gotta Feeling com uma coreografia inacreditável envolvendo toda essa multidão. Tudo começa com uma garota dançando sozinha na frente do palco, logo depois toda a multidão começa a fazer a mesma coreografia. Oprah (que não sabia de nada), ficou chocada com o que estava vendo, enquanto gravava tudo em seu celular. A apresentadora então gritou: "Isso é tão legal!! É a coisa mais legal que eu já vi...Chicago eu amo vocês!!!!!!" Durante a entrevista que o grupo deu após a apresentação, o lider do grupo Will.i.am contou que chamou 800 fãs para ajudar na coreografia, que depois foi passada para as mais de 20 mil pessoas presentes na hora. Sobre isso Will falou: "Eu não pensei que ia ser assim tão espetacular...Você fala sobre a participação da platéia, mas tudo foi além...Isso é tão incrivel...É a melhor apresentação que já fizemos!" A apresentação foi tão bem recebida nos EUA que após a exibição do programa, a música I Gotta Feeling que estava em 4º lugar no iTunes, voltou ao topo da parada da loja virtual, garantindo assim pelo menos mais uma semana no topo da Billboard Hot 100, onde a música já se encontrava em primeiro há 11 semanas.



+ Links

The Worldwide FlashMob Community: http://www.mashflob.com/

Flash Mob the Documentary: http://www.kablam.tv/flashmob/

Flash Mob em New York: http://www.flashmob.com/

Site inglês que fala sobre todos os Flash Mobs no mundo: http://www.flashmob.co.uk/

Vídeos de Flash Mobs: http://www.allflashmobs.com/

Flash Mobs no Brasil: http://www.mobrasilnews.com/blog/

sábado, 5 de junho de 2010

Alguma coisa sobre a classificação vocal...


Afinal, é sempre bom aprendermos e conhecermos sobre o nosso "instrumento", né?!
Seguem as classificações, com alguns exemplos de onde podem ser encontradas.


Beijos e abraços!

Edu.


SOPRANO

É a voz feminina mais aguda. O termo deriva do italiano sopra, que significa acima, ou seja, a voz instrumental ou humana que se situa acima de todas as outras.

Coloratura. A mais alta região de todas, requerendo geralmente uma abilidade de cantar com agilidade e mesmo de forma acrobática. Exemplo: a Rainha da Noite n'A Flauta Mágica de Mozart.

Lírico.Leve e flexível, geralmente com uma qualidade "brilhante". Exemplo: Agathe em Der Freischütz, C M von Weber.

Dramático. Marcada por potência vocal e habilidade declamatória. Exemplo, Isolda em Tristão e Isolda de Wagner.

Dugazon. Uma cantora que se especializa em papéis "soubrette", geralmente envolvendo uma atuação "inteligente", corajosa ou com grande espirituosidade. A característica vocal é de uma soprano leggiero. O termo se origina de uma expoente francesa do gênero, Louise Rosalie Dugazon (1735-1821), que recriou 60 papéis na Opera-Comique. Dependendo da idade do personagem retratado, uma parte dugazon pode ser uma 'jeune dugazon' ou uma 'mere dugazon'. O papel de Ellen na ópera Lakmé de Delibes é definida não como soprano mas como uma dugazon. Exemplos de papéis soubrette são Despina em Cosí fan tutte, Blonde em O Rapto do Serralho, as últimas de Mozart, e Adéle em Die Fledermaus de Strauss.

Falcon. Tipo de soprano dramático denominado a partir de Marie-Cornelie Falcon (1812-1897), outra artista de destaque parisiense. Os papés para os quais o termo se aplica incluem Rachel em La Juive de Halevy, Alice em Robert le Diable de Meyerbeer, e Valentin em Les Huguenots de Meyerbeer.

Leggiero. Leve, o termo italiano para soprano lírico. Mais um exemplo: Änchen em Der Freischütz, C M von Weber.

Sfogato. Uma soprano com voz muito aguda, leve, fácil, magra. Vem do termo italiano que significa "descarregado", em inglês 'unburdened'.

Spinto. Uma voz lírica capaz de soar possantemente ou dramaticamente em momentos de clímax. Derivado do italiano "empurrado". Para sopranos, o termo completo é lírico spinto, com a Mimi de La Boheme, Madama Butterfly, ambos de Puccini, como exemplos clássicos. Para tenores,vide abaixo.

MEZZO-SOPRANO, MEIO-SOPRANO

Uma voz feminina intermediária à do soprano e do contralto, vide abaixo, compartilhando regiões de alturas e qualidades sonoras de ambas. Embora algumas mezzos tendam a mover definitivamente à classificação de soprano, este tipo de voz intermediária é normalmente considerada como ligeiramente mais próxima à do contralto. O papel de mezzo-soprano mais conhecido é da Carmem, da ópera homônima de Bizet. Outros exempos: Dorabella em Cosí fan tutte, Oktavian em Der Rosenkavalier, o Compositor em Ariadne auf Naxos, estas duas de R Strauss. Em certos casos, uma cantora pode vir a se descrever como mezzo-contralto, por possuir uma extensão mais baixa que uma mezzo.

CONTRALTO

É a voz feminina mais grave. O termo deriva do latim altus , significando "agudo", mas se referindo à faixa aguda da voz masculina, atualmente denominada contra-tenor (vide abaixo), empregado na música sacra antiga. A voz feminina contralto tem papel essencial na música coral bem como na ópera. Extensão normal de aproximadamente duas oitavas a partir do Mi2 ou Fá2 , abaixo do Dó3 central.

Cotralto dramática: Ulrica em Un Ballo in Maschera, de Verdi.

TENOR

Contra-tenor. Uma voz relativamente muito aguda, freqüentemente fazendo uso de falsetto. Originariamente um contralto masculino.

Heldentenor. Termo alemão para uma voz com qualidade e intensidade "heróica"; o protagonista wagneriano típico. Exs. Huon em Oberon de Weber, Bacchus em Ariadne auf Naxos de Strauss.

Spinto. O tenor equivalente ao soprano lírico spinto acima. Alfredo na La Traviata de Verdi pode ser mencionado como um papel de tenor spinto.

Heróico. Equivalente ao Heldentenor ou Spinto. Descrito usualmente para o papel de Tristão.

Tenore buffo. O segundo tenor de uma compania de ópera; cantor que se especializa em papéis cômicos. Exemplo: Pedrillo em O Rapto do Serralho de Mozart.

Tenor di forza. Uma voz heríoca, potente; equivalente ao Heldentenor, do alemão. Pode ser chamado de tenor dramático. Um caso típico é o de Otello de Verdi.

Tenore robusto. Levemente menos potente que um tenore di forza; entretanto, na maoria dos casos os termos são intercambiáveis.

Tenore di grazia. Leve e gracioso, um tenor lírico. Um exemplo é o Duque de Mantua em Rigoletto de Verdi.

Tenor lírico: Tamino na Flauta Mágica de Mozart.

Trial. Um tenor com voz aguda, "fina", anasalada. O termo se origina em Antoine Trial, um tenor operístico popular em Paris no século XVIII. Na ópera de Ravel L'Heure Espagnole, a "dramatis personae" exige a um trial para cantar o papel de Torquemada, o relojoeiro.

BARÍTONO

Barítono-Martin. Um barítono agudo, que se aproxima da extensão do tenor. É um tipo de voz particularmente apreciada na França, nomeada a partir de Jean Blaise Martin (1769-1837), que supostamente podia atingir o Dó agudo (Dó 4) com facilidade. O papel de Ramiro na L'Heure Espagnole de Ravel é especificada para um barítono-martin.

Barítono-Baixo ou Baixo-barítono. Uma voz masculina intermediária ao barítono e baixo, vide abaixo, compartilhando regiões de alturas e características sonoras de ambas. Utilizada freqüentemente na ópera; o Don Giovanni de Mozart é muitas vezes cantado por um barítono-baixo.

Barítono heróico. Em obras wagnerianas, como Hans Sachs em Os mestres Cantores de Nürenberg.

Barítono de caráter; Pizzarro em Fidelio de Beethoven.

Barítono lírico. Fígaro em o Barbeiro de Sevilha, Rossini.

BAIXO

Basso buffo. Um baixo ágil, flexível, adequado para papéis cômicos na ópera.

Basso cantante. Literalmente, um baixo-cantante; voz adequada para papéis líricos.

Basso profondo. O mais grave de todos. Apropriado para as árias de Sarastro na Flauta Mágica de Mozart e na ópera de Henry W. Petrie, Asleep in the Deep (Adormecido nas Profundezas). Às vezes chamado de baixo-sério.

Contra-basso. Outro termo para basso profondo; usado freqüentemente por cantores russos com notas escepcionalmente graves.

Baixo de caráter: Alfonso em Cosí fan Tutte, de Mozart.

Baixo bufo ligeiro e sério: Osmin em o Rapto do Serralho, de Mozart.


Referências bibliográficas:

Kupferberg Herbert (1986). 'The Book of Classical Music Lists' , Ed. Facts On File, New York, 1986, ISBN 0-8160-1163-X.

Atlas de Musica

Kennedy M (1980). The Concise Oxford Dictionary of Music, Oxford University press.

Sundberg J (1987). The Science of the Singing Voice, Northern Illinois university Press, Dekalb, Ill.



quarta-feira, 2 de junho de 2010

Talentos musicais que você ainda não conhece

Todo mundo tem acesso a absolutamente tudo do universo musical na internet (e de todos os outros assuntos, mas vamos manter o nosso foco... rs).

Além de ver clipes, baixar músicas, saber toda a agenda de shows (e porque não dizer, as fofocas da vida pessoal) do seu cantor favorito, é uma excelente ferramenta pra conhecer músicos desconhecidos para nós. Através da internet você tem a oportunidade de conhecer o trabalho de artistas do mundo inteiro, de bandas que nunca tocaram nas rádios brasileiras, e daqueles talentos surpreendentes que as grandes produtoras musicais teimam em não dar valor.

Pensando nisso, eu fiz uma pesquisa e levantei alguns sites ótimos para conhecer o que rola de novo pelo Brasil e pelo mundo:

Jamendo
http://www.jamendo.com/br
Nesse site você pode baixar gratuitamente as músicas sem se preocupar em estar colaborando com a pirataria, pois todo download das canções tem o consentimento legal dos respectivos artistas! É livre, legal, e ilimitado!

The Sixty One
http://www.blogger.com/www.thesixtyone.com
Este site é perfeito pra quem é ligado em redes sociais e é apaixonado por música. No The Sixty One, você ouve a música de um determinado artista enquanto vê fotos, informações e muito mais sobre ele. Você pode deixar comentários sobre o que achou da banda ou da música, e se você não gostar, é só clicar na setinha e partir pro próximo artista!

Stereo Mood
http://stereomood.com/
Dentro de cada música existe um sentimento, pensando nisso este site trabalha selecionando músicas de acordo com seu humor e atividades. Clique em algum estado de espírito e então o Stereomood escolhe uma playlist de músicas que se encaixam nesse perfil. Muito legal.

Grooveshark
http://www.blogger.com/www.grooveshark.com
O site Grooveshark, é feito todo em flash, permitindo ao usuário ouvir músicas on-line, sem fazer o download delas! O interessante são as opções de quem acessa, podendo usufruir de uma usabilidade ótima, criando facilmente playlists dos artistas que você tanto gosta. E ao clicar na função Radio, o próprio site seleciona as músicas relacionadas ao estilo que você gosta!

No meio de tanta música você vai ouvir hits super conhecidos, mas a maioria das canções são novas – ou pouco divulgadas - no mercado musical brasileiro.

Sair do conhecimento comum estimula nossa criatividade, abre nossa mente, aumenta nosso repertório e, claro, desenvolvemos nosso senso crítico. Pois nem tudo o que vamos encontrar é bom, tem muita porcaria. Cabe a nós fazermos esse filtro.

Este é o “Nós, Voz e Eles” incentivando e divulgando os novos talentos musicais do mundo! :-)

Beijos,
Adriana

terça-feira, 1 de junho de 2010

Um ninar, uma linda canção.

Eu gostaria de escrever sobre um tema que exalta muito o meu sentimento de gosto pela música e também pelo canto. Que me faz pensar que por mais simples que seja uma composição e por mais simples que seja uma pessoa cantando sem acompanhamento algum, e até mesmo desafina, ela pode prover grandes sentimentos e estes podem quebrar qualquer barreira. O exemplo que vou citar mostra que uma simples melodia pode quebrar preconceitos, livre de qualquer religião, cor, raça ou fronteiras entre nações.

Há um tempo atrás eu recebi um vídeo de um rapaz, um ex desenvolvedor de jogos do Canadá que cansado de produzir jogos com armas, tiros e morte, resolveu viajar o mundo afora. Pelos lugares onde ele passava ele fez uma compilação de um vídeo onde ele dançava de maneira muito estranha porém divertida ao som de uma música muito tranqüila e ao mesmo tempo empolgante. Esse rapaz é Matt Harding e o site dele é http://www.wherethehellismatt.com . A musica que podemos ouvir no vídeo é Sweet Lullaby Dancing Remix da banda Deep Forest, porém ao fundo pode-se se ouvir uma mulher cantarolando em uma língua não muito comum. Através do site dele eu consegui descobrir a fonte daquela canção, foi onde eu fiquei ainda mais encantado. Vou tentar resumir o que aprendi sobre a aquela canção através dos vídeos do próprio site.

Em 1971 o etnomúsicologista Hugo Zemp viajou até as Ilhas Salomão até um lugar chamado Fataleka, perto de Papua na Nova Guiné. Ele gravou aquela mulher cantando uma canção de ninar, essa canção é conhecida como Rorogwela e faz parte da tradição da tribo Baegu que felizmente foi preservada. A Mulher que canta essa canção nas gravações chama-se Afunakwa. Em 1992 a banda Deep Forest utilizou e mixou a gravação em sua música "Sweet Lullaby" que vendeu 3 milhões de cópias tornando-se um hit pop internacional. Em 2003 o Matt usou a música em seus vídeo que se tornou um viral, as pessoas gostaram como ele mesmo diz. Matt ficou tão encantado com a melodia e o sucesso do vídeo que foi e busca de suas origens como uma forma de recompensa, e visitou as Ilhas Salomão em 2007. Nessa visita Matt descobriu que Afunakwa teria morrido a uns 10 anos, ele conheceu o filho mais novo dela que teria entre 50 e 60 anos. Ele diz no site que gostaria muito de conhecê-la, embora ainda existam membros da tribo que podem cantar a canção.

Podemos ver o vídeo da visita de Matt à Ilhas Salomão e conhecer a música Rorogwela, nesse vídeo o filho de uma das primas de Afunakwa tenta explicar, com suas palavras, a história e o significado da canção:





A canção fala de uma irmã mais velha e de seu irmão mais novo, órfãos de pai. A Irmã mais velha tenta acalmar seu pequeno irmãozinho que chora. A tradução provavelmente incerta da letra seria esta:


Irmãozinho, irmãozinho, pare de chorar, pare de chorar
Embora você esteja chorando e chorando, quem mais vai carregar você?
Quem cuidará de você, nós dois agora estamos sem pais
Da ilha dos mortos, seus espíritos continuarão a cuidar de nós
Assim como a realeza cuida, com toda a sabedoria, de cada lugar.

Irmãozinho, irmãozinho mesmo no grande paraíso
Esta canção soará em todos os cantos do jardim,
Da ilha dos mortos, seu espírito continuarão a cuidar de nós

Irmãozinho, irmãozinho, pare de chorar, pare de chorar
Embora você esteja chorando e chorando, quem mais vai carregar você?
Quem cuidará de você, nós dois agora estamos sem pais
Da ilha dos mortos, seu espírito continuarão a cuidar de nós


Em inglês:

Little brother, little brother, stop crying, stop crying
Though you are crying and crying, who else will carry you
Who else will groom you, both of us are now orphans
From the island of the dead, their spirit will continue to look after us
Just like royalty, taken care of with all the wisdom of such a place

Little brother, little brother even in the gardens
This lullaby continues to the different divisions of the garden,
From the island of the dead, their spirit will continue to look after us

Little brother, little brother, stop crying, stop crying
Though you are crying and crying, who else will carry you
Who else will groom you, both of us are now orphans
From the island of the dead, their spirit will continue to look after us



E na língua original Baegu:

Sasi sasi ae ko taro taro amu
Ko agi agi boroi tika oli oe lau
Tika gwao oe lau koro inomaena
I dai tabesau I tebetai nau mouri
Tabe ta wane initoa te ai rofia

Sasi sasi ae kwa dao mata ole
Rowelae e lea kwa dao mata biru
I dai tabesau I tebetai nau mouri

Sasi sasi ae ko taro taro amu
Ko agi agi boroi tika oli oe lau
Tika gwao oe lau koro inomaena
I dai tabesau I tebetai nau mouri


Para terminar ess post, coloco aqui o primeiro vídeo do Matt feito com a música, vídeo que me permitiu conhecer essa melodia tão encantadora.




Abraços e durmam com os anjos.
Léo

Voz Humana

A voz humana é produzida pela vibração do ar que é expulso dos pulmões pelo diafragma e que passa pelas pregas vocais e é modificado pela boca, lábios e a língua.

A voz é uma característica humana intimamente relacionada com a necessidade do homem de se agrupar e se comunicar. Ela é produto da nossa evolução, um trabalho em conjunto do sistema nervoso, respiratório e digestivo, e de músculos, ligamentos e ossos, harmoniosamente atuando para que se possa obter uma emissão eficiente. É importante sabermos que as pregas vocais, que são dois pares de músculos (formando o tíreo-aritenóideo) que, primordialmente, não foram feitos para o uso da voz. Esta foi uma função na qual a laringe (local onde se encontram as pregas vocais) se especializou. Mas estes músculos foram desenvolvidos, em primeiro lugar para as funções de respiração, alimentação e esficteriana.

A voz está associada à fala, na realização da comunicação verbal, e pode variar quanto à intensidade, altura, inflexão, ressonância, articulação e muitas outras características.

À emissão de uma voz saudável, damos o nome de eufonia. A uma voz doente, ou seja, com alguma de suas características alterada, damos o nome de disfonia. A disfonia pode ser orgânica, funcional ou mista (orgânica-funcional). Ela não é uma doença, mas o sintoma, uma manifestação de um mau funcionamento de um dos sistemas ou estruturas que atuam na produção da voz.

A disfonia pode e deve ser tratada. O profissional que trata da voz é o fonoaudiólogo (terapeuta da fala). Geralmente este profissional trabalha em conjunto (no caso da voz) com o otorrinolaringologista ou o laringologista. Pode, ainda, trabalhar com o professor de canto.

A voz sofre muita influência de hormônios e de nossas emoções. É comum ouvir pessoas que estão muito tristes ou nervosas, roucas. A rouquidão é um tipo de disfonia.

Nunca devemos esquecer-nos de que falamos para o outro. A comunicação, a linguagem verbal, o uso da voz, isso só tem sentido quando temos o outro e quando nos fazemos entender para este outro. A voz é um recurso importante para esse entendimento. Ela pode dizer quando estamos interessados em alguém, quando estamos cansados, quando estamos tristes, alegres, nervosos, quando acabamos de acordar, quando estamos em um ambiente ruidoso, quando estamos calmos ou quando estamos exercendo uma atividade em que a voz é o diferencial.

A voz é produzida quando o ar expiratório (vindo dos pulmões) passa pelas pregas vocais, e por nosso comando neural, por meio de ajustes musculares, faz pressões de diferentes graus na região abaixo das pregas vocais, fazendo-as vibrarem. Esse mecanismo se assemelha ao balão, quando o secamos apertando sua "boca", provocando um ruído agudo, fruto da vibração da borracha.

Não podemos esquecer que voz é som, e som é igual a onda sonora. O ar expiratório, que fez as pregas vocais vibrarem, vai sendo modificado e os sons vão sendo articulados (vogais e consoantes). Depois, emitidos pela boca, fazem a onda sonora que vai atingir a cóclea do ouvinte. Aí é que a voz é ouvida.

As pregas vocais vibram muito rapidamente. Nos homens, esse número de ciclos vibratórios fica em torno de 125 vezes em 1 segundo. Na mulher, que tem voz, geralmente, mais aguda, o número aumenta para 250 vezes por segundo. A essa característica damos o nome de freqüência. Vale recordar que as pregas vocais do homem têm mais massa e são menos esticadas que as da mulher (como no violão, as cordas mais esticadas são mais agudas e vibram mais que as cordas mais graves. Daí, inclusive, que vem a expressão "pregas vocais").

O Timbre da Voz Humana

O timbre da voz humana depende das várias cavidades que vibram em ressonância com as pregas vocais. Aí se incluem as cavidades ósseas, cavidades nasais, a boca, a garganta, a traquéia e os pulmões, bem como a própria laringe.

Os seis timbres vocais mais conhecidos são os de baixo, baritono e tenor para os homens e soprano, mezzo e contralto para mulheres, apesar da existência do baritenor, da alto, do contra-tenor... etc.

A Freqüência da Voz Humana

A mais baixa freqüência que pode dar a audibilidade a um ser humano é mais ou menos a de 20 hertz (vibrações por segundo), enquanto a mais alta se encontra entre 10 000 e 20 000 hertz, o que depende da idade do ouvinte (quanto mais idoso menores as freqüências máximas ouvidas). A freqüência comum de um piano é de 40 a 4000 hertz e a da voz humana se encontra entre 60 e 1300 hertz.

O recorde de voz mais alta, ou mais aguda, ou, no popular, mais fina, pertence a Georgia Brown, que possui o registro de aproximadamente 10 oitavas, o que e mais alto do que qualquer nota de piano.


Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
http://pt.wikipedia.org/wiki/Voz_humana